Sylvinho detalha ideias táticas para o Corinthians, fala sobre recuperação de atletas e reforços
Rodrigo Coca / Agência Corinthians

No início da tarde desta terça-feira (25), o novo técnico alvinegro, Sylvinho, foi apresentado de forma oficial no CT Dr. Joaquim Grava, onde concedeu uma entrevista coletiva.

O ex-técnico do Lyon, respondeu o que pensa sobre o esquema tático que pode ser aplicado ao Corinthians nas próximas partidas:

"Variação de sistema tático existe, é bom, mas parto do princípio de linha de 4, que conheço o sistema, domino as funções. Podemos trocar sistemas, mas faz parte da história do Corinthians essa linha de 4. A gente parte desse princípio"

"O sistema tático não define se um time é ofensivo ou defensivo. O que define são as características dos atletas. Quando parto de uma linha de 4 é porque joguei, treinei, aperfeiçoei, domino uma linha de 4. A comissão pensa assim, Lázaro, Doriva... Não gosto de variação. O atleta, treinado, ele consegue ter percepções e levar para o campo, com rotina, com tempo de trabalho. A variação, dependendo do atleta, pode gerar incômodo, atraso. Eu gosto da linha de 4, mas não está fora de cogitação trabalhar com linha de 3 em algum jogo pontual".

Publicidade - Continua abaixo

"O jogo é de uma complexidade maravilhosa. É extraordinário. Futebol é dinâmico, as linhas andam. Já diria o Guardiola. 4-4-2 é número de telefone. As peças se mexem. Todos gostamos de linha alta, de posse de bola, mas temos de ter inteligência. O fascinante é como as pedras se movem no xadrez. Depois, temos a metodologia, entender quando marcar o espaço".

Além disso, Sylvinho comentou sobre seus últimos trabalhos e como se sente voltando ao Corinthians, clube no qual foi revelado aos 20 anos:

"Trago uma construção enorme nessa vida. Não só Lyon, mas também Inter, Seleção, aqui nessa casa, Tite, Mano. Trago conteúdo. Trago de todos. É uma alegria muito grande estar aqui"

O técnico também foi questionado sobre reforços que podem chegar ao time no segundo semestre do ano:

Publicidade - Continua abaixo

"O clube tem muito claro, eu também, que não tem muita necessidade de reforços. Vejo cenário de atletas com boas condições, que podem ser potencializados. Estamos vivendo uma nova etapa. Corinthians está acostumado com alto nível, mas etapa é nova, de construirmos, de juntar forças, é o que estamos vivendo e vamos continuar vivendo, com raça, dedicação".

Outra pergunta feita pelos jornalistas na coletiva, foi sobre seu jeito “pilhado” de ser. O comandante alvinegro não negou:

"Quase nada (pilhado)... É o jeito. Sinceramente, eu não gostaria de ser assim, mas sou. Os pés não param aqui em baixo. E é não perder tempo. Não temos tempo para perder. Futebol te exige entrega, estar atento a tudo. Nós sabemos, não perco tempo. É meu ritmo, minha forma de ser, sou inquieto. Futebol sempre serviu para mim. Mas, na vida cotidiana, muitas vezes, eu passo um pouco do ponto, é muita energia".

Outra questão que grande parte da torcida corinthiana queria saber, era sobre os jogadores mais experientes do elenco e como ele quer agir em relação a eles:

Publicidade - Continua abaixo

"O trabalho é desafiador, é recuperar atletas mais experientes. Eu trabalho para todos os atletas. Nós aqui trabalhamos para eles. Quanto aos jovens, é importante acelerar algumas etapas. Entendemos a demanda do futebol, mas não podemos queimar etapas"

Recentemente, também ocorreu comentários sobre ele recusar o Corinthians em 2016. Sylvinho respondeu e explicou a ocasião da recusa naquele ano:

Com relação ao Corinthians, era questão de tempo. Eu tinha outras situações, acho muito forte a palavra "recusou". Estou onde nasci, cresci, sou fruto do terrão, mas futebol não é só isso. Tem componentes sérios de gestão, de espírito, de time, de tantas coisas modernas. Tive ótimas comissões que participei e estou feliz com o conteúdo que absorvi".

Publicidade - Continua abaixo

Publicidade - Continua abaixo